Área de Clientes

novo registo
recuperar password
  CARRINHO
0 Item(s) 0 €

José Maria Eugénio de Almeida

Sardica, José Miguel

€ 21,20 € 19,08
Disponível - Envio Previsto em 48 horas (Em Dias Úteis)
10 %
ISBN: 9789725891391 Páginas: 320 Ano de Publicação: 2005 Editor: Quimera
Quantidade:

Sinopse

O nome «Eugénio de Almeida» evoca hoje – e apenas em pessoas mais atentas às questões da cultura, do ensino, da assistência, do património ou da actividade agrícola – uma Fundação com sede em Évora. A Quimera publica o livro sobre o homem que, no século XIX, lançou as bases sobre as quais se viria a criar aquela Fundação, quase um século após a sua morte.

Bacharel em Direito, magistrado, deputado, Par do Reino e Conselheiro de Estado, José Maria Eugénio de Almeida, um plebeu sem quaisquer pergaminhos aristocráticos, tornar-se-ia sobretudo conhecido pela diversificada e milionária carreira que protagonizou no mundo dos negócios, como financeiro, contratador, especulador, comerciante, industrial e grande proprietário, urbano e rural.

Nasceu em 1811, no termo do Antigo Regime, quando Portugal era ainda um Estado absolutista, economicamente dependente do Brasil, socialmente estagnado, culturalmente distante da Europa, sem estradas, comboios ou fábricas modernas. Quando morreu, em 1872, era detentor de uma das maiores fortunas portuguesas do tempo, numa monarquia liberal voltada para a Europa, meritocrática e medianamente ilustrada, que galgara anos na carreira da civilização e do progresso. José Maria Eugénio de Almeida foi testemunha desta radical transformação da modernidade portuguesa, e um dos seus muitos e ilustres obreiros.

Subjacente à biografia propriamente dita, o objectivo deste livro é o de mostrar a forma como, no Portugal do século XIX em geral, e na vida de José Maria Eugénio de Almeida em particular, o dinheiro, o poder e o status, ou seja, os negócios, a política e a sociedade, se combinavam e mutuamente alimentavam.

Numa prosa rigorosa e eloquente, José Miguel Sardica traça o retrato do grande empresário capitalista, não deixando de atentar ao perfil ético e moral do homem, assim como à sua faceta familiar, social e política.